Serra, 25 de abril de 2017

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Amar é o Bicho

por Ana Paula Bonelli

Deputados querem acabar com maus-tratos a animais usados para transporte de cargas

Carroceiros: reclamações sobre maus tratos e sujeira. Foto: Ana Paula Bonelli

Foi aprovada na Assembleia Legislativa na última quarta-feira (12) o projeto que propõe alteração no Código de Defesa dos Animais (Lei 8.060/2005

), inserindo parágrafo ao artigo 10 da legislação e responsabilizando todo indivíduo que utilizar animais para fretamento, transporte de cargas, materiais ou pessoas por quaisquer atos que caracterizem maus-tratos.

A proposta agrega animais utilizados tanto na área urbana quanto na rural.  O Projeto de lei  120/2016 segue para a Comissão de Justiça para redação final, pois recebeu emenda, e depois irá para a análise do governador Paulo Hartung (PMDB).

O projeto é de autoria de Gilsinho Lopes (PR) e recebeu emendas de Janete de Sá (PMN), que foram acolhidas pelo Plenário e transformaram a iniciativa do republicano em uma alteração ao Código Estadual de Defesa dos Animais. Uma das emendas insere parágrafos ao artigo 10, que dispõe sobre a tração animal de veículos ou instrumentos agrícolas e industriais, somente pelas espécies bovinas, equinas e muares.

O primeiro parágrafo responsabiliza os indivíduos que maltratarem os animais utilizados para frete e transporte. O segundo descreve o que é fretamento, no caso da proposição: ato de carregar, transportar e alugar charretes e carroças de tração animal para transporte de pessoas e materiais como entulhos e móveis, principalmente quando utilizados por cavalos, burros, jumentos e demais animais considerados de carga.

A proposição ainda insere o artigo 13-A na legislação, determinando que qualquer cidadão poderá, quando constatar maus-tratos aos animais, comunicar aos órgãos competentes para que o animal seja recolhido aos órgãos de proteção e controle.

No Plenário, o projeto, que tramitava em urgência, passou pelas comissões de Meio Ambiente, Finanças e Justiça e agora segue para redação final. Depois, a proposta será encaminhada ao Executivo para análise. Se for sancionada pelo governador, a lei entra em vigor 45 dias após a data de publicação.

O Código Estadual de Defesa dos Animais prevê para aqueles que infringirem a lei multa de 500 Valores de Referência do Tesouro Estadual (VRTEs), que equivale, atualmente, a cerca de R$ 1.600 (aplicada em dobro e progressivamente nos casos de reincidência); e apreensão do animal.

Proibição de carroças

Em janeiro deste ano, o governador Paulo Hartung (PMDB) sancionou uma proposição de autoria da deputada Janete de Sá, que proíbe a permanência e utilização de animais de grande porte dentro de perímetros urbanos no Estado. A Lei 10.621/2017 aplica-se aos municípios com mais de 100 mil habitantes e engloba equinos, muares, asininos, caprinos, suínos, ovinos e bovinos.

Excluem-se da lei os animais de grande porte utilizados pelas forças de segurança pública no cumprimento de suas funções constitucionais e aqueles com prévia autorização de prefeituras ou do governo estadual.

Parceria entre ong e empresa de ração beneficia animais da Serra

Diretoria da Adada com a ração doada pela Nutriave. Foto: Divulgação

Uma parceria entre a Associação dos Amigos dos Animais (Adada) e a Nutriave tem beneficiado centenas de animais na Serra.

A presidente da Adada, Maria da Glória Alves Cunha, que é médica veterinária ressalta a importância da parceria. “Um dos objetivos da Adada é alimentação dos animais abandonados que podem ser  os resgatados, os que vivem em abrigos, que vivem nas ruas ou que são cuidados pelos tutores independentes. Nossa parceria com a Nutriave de alimentos pet , foi um avanço dentro dos trabalhos realizados por ong’s no Estado. Uma empresa capixaba que acredita em nosso trabalho de proteção, alimentação, saúde e bem-estar dos animais e de seus tutores”, destaca Glória.

Com esta parceria, segundo Glória, alguns abrigos e tutores cadastrados na Adada receberam as doações. “Sabemos que animais bem alimentados estarão com a imunidade elevada e assim terão uma saúde bem melhor”.

A médica veterinária e Coordenadora Pet Nutriave, Ana Paula Có Lisboa, diz que a empresa entende que animal abandonado é um problema social e sanitário, e preocupada em tentar amenizar, porém, de forma sensata e sustentável, fez parceria com a Adada. “A proposta da ong é diferente, ela identifica a necessidade dos abrigos e se mostra a ajudar os animais resgatados cuidando juntamente do local onde ficam e do responsável por eles. Muitas pessoas recolhem os animais da rua sem ter condições de sustentá-los, sem um local seguro e apropriado, e uma grande parcela se torna “acumulador de animal” precisando de acompanhamento médico e psicológico. O problema é maior do que imaginamos, é uma realidade triste e que todos deveriam se mobilizar a fim de reverter, cada um doando o que pode”, afirma a veterinária.

Alimento Premium

A Adada recebeu da Nutriave ração premium, ou seja, um alimento mais nutritivo afim de proporcionar saúde e bem-estar aos animais que receberão a doação. “Na maioria das vezes, esses animais estão debilitados, anêmicos e com baixa imunidade, afinal, doar não é satisfazer a consciência mantendo-a limpa, doar é fazer a diferença na vida de alguém, e nesse caso, alguém muito importante para nós, os pets”, reitera Ana Paula Có.

Confira alguns beneficiados:

 

Fabricante de ração terá de indenizar família capixaba por intoxicação alimentar em cão

A ração consumida pelo animal estaria contaminada com a substância tóxica “aflatoxina” que fez com que o cachorro de estimação da família viesse a óbito. Foto: Divulgação

Uma fabricante de ração deve indenizar em R$ 4 mil por danos morais, cada um dos três integrantes de uma família que sofreu a perda de “Bud”, um cachorro da raça sharpei que foi vitimado por intoxicação alimentar causada pela ingestão de ração contaminada pela substância tóxica “aflatoxina”.

A empresa também deve ressarcir os requerentes no tocante aos gastos efetivos com o tratamento do animal, totalizando R$ 790,00.

Segundo os proprietários, Bud foi adquirido com um mês de vida, crescendo forte e saudável nos primeiros 11 meses, aos finais dos quais começou a emagrecer e a se recusar a comer a ração.

Ao levarem a mascote ao veterinário, foram informados que, segundo diversas notícias que circulavam na internet, a ração consumida pelo animal estaria contaminada com a substância tóxica denominada “aflatoxina”, e ainda pior: Bud corria risco de vida.

Imediatamente foram administrados medicamentos para combater a doença, além de exames que constataram alterações nos órgãos internos do cãozinho, sugerindo intoxicação alimentar. Porém, o risco era real, e após o primeiro dia de internação Bud faleceu.

Após a perda da mascote, a família pesquisou sobre a substância, constatando que vários outros animais já haviam morrido ao consumir a ração, que continuava à venda no mercado. A descoberta fez com os donos encaminhassem o corpo de Bud para a necrópsia, quando obtiveram o resultado positivo para intoxicação.

O resultado positivo também foi obtido ao encaminharem amostras da ração para análise laboratorial, quando foi constatada a existência da substância tóxica no alimento.

Em sua defesa, a empresa alegou não haver provas da causa do óbito do animal, que poderia ter ocorrido por uma série de outras toxinas ou fatores, não havendo nenhum elemento nos autos que relacionasse a morte de Bud ao consumo de seu produto.

A empresa informou ainda que, ao ter conhecimento da variação apresentada na ração, realizou recall com divulgação em jornais de grande circulação no Estado do Espírito Santo.

Porém, para o magistrado da 5º vara cível de Vila Velha, todos os exames, documentos e reportagens apresentados pela requerente, comprovam que o óbito do cão Bud teve relação direta com o consumo da ração fabricada pela empresa ré.

Dessa forma, o juiz concluiu pela condenação da empresa, em função de todo o sofrimento causado às autoras pelo falecimento de seu animal de estimação, com apenas 11 meses de vida, pelo uso da ração contaminada.

 

Cães da Polícia terão tratamento gratuito na UVV

Os dez animais usados pelo Grupamento de Operações com Cães (GOC) terão atendimento gratuito no Hospital Veterinário da Universidade de Vila Velha. Foto: Divulgação

A Diretoria de Operações Táticas (DOT) da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) firmou parceria com o curso de Medicina Veterinária da Universidade de Vila Velha (UVV), para que os dez animais usados pelo Grupamento de Operações com Cães (GOC) tenham atendimento gratuito no Hospital Veterinário da instituição. 

Na última terça-feira (28), um grupo de 23 estudantes universitários, acompanhado pela professora Bárbara Loureiro, participou de uma aula prática com o GOC, em que pôde conhecer o trabalho realizado pelo grupamento e assistir a simulações realizadas pelos cães e treinadores da DOT.

Na ocasião, os alunos também realizaram um mutirão para avaliar e vacinar os cães usados pelo grupamento em suas operações. Os estudantes também tiveram uma aula prática no canil do GOC, localizado no complexo prisional da Glória.

Atualmente, a Sejus conta com 11 inspetores adestradores que treinam os cães para detecção de entorpecentes, busca e captura e proteção e guarda.

O diretor de Operações Táticas da Sejus, Fernando Bastos Vieira, explica que a parceria entre a universidade e a Sejus será benéfica para todos.

“A DOT passa a contar com atendimento diário e emergencial de todos os cães, sem custos para o Estado, por meio do Hospital Universitário, que vai proporcionar mais saúde aos animais. Além disso, a experiência vai contribuir para a formação acadêmica dos futuros veterinários”.

Bazar solidário em Jacaraípe terá peças de R$ 3 a R$ 25

Estarão à venda roupas, acessórios, livros, artesanato e sapatos: tudo seminovo. Foto: Arquivo TN

Neste sábado (8) tem bazar solidário em Jacaraípe a partir das 9 horas. Quem for ao local poderá encontrar peças com preço mínimo de R$ 3 e máximo de R$ 25.

Estarão a venda no local peças seminovas, como sapatos, livros, artesanato, blusas, bermudas, saias, calças, camisas masculinas e femininas, roupas infantil e juvenil, além de pulseiras e colares.

O bazar acontece ao lado do consultório veterinário Faro Fino, próximo a loja Bremenkamp Material de Construção. Todo o valor arrecadado será revertido para tratamento, alimentação e castração de animais abandonados. A realização é do grupo Ação Animal.

CPI volta a debater o abandono de cães na Ufes

A cadela Raposinha foi a primeira a ser resgatada do campus da universidade. Foto: Reprodução Facebook

Nesta terça-feira, 4, os integrantes da CPI dos Maus-Tratos aos Animais, da Assembleia Legislativa, presidida pela deputada Janete de Sá (PMN), voltam a se reunir com representantes da Ufes, da Sociedade Protetora dos Animais (Sopaes), Prefeitura de Vitória e Polícia Ambiental. O objetivo é verificar as providências, que foram acordadas na CPI, no dia 7 de março, em relação à captura e tratamento dos cachorros abandonados no campus da Universidade, em Goiabeiras.

“Há um mês discutimos esse assunto na CPI com todos os envolvidos e estabelecemos um prazo para que os cães fossem capturados, castrados, vermifugados e vacinados. Esse problema da matilha, abandonada na Ufes, já se arrastava por cinco anos e com a atuação da CPI, conseguimos encontrar uma solução para esse caso, já que os animais ficavam embaixo do restaurante universitário, causando uma série de transtornos para a instituição”, declarou a presidente da CPI, deputada Janete de Sá.

A reunião da CPI dos Animais acontece a partir das 19hs, no plenário Rui Barbosa e é aberta ao público.

Foram convocados a participar da reunião da CPI:

Maria Auxiliadora Carvalho Corassa – Representante do Reitor da Ufes

Douglas Severo – Médico Veterinário Ufes

Virgínia Brandão – Presidente Sopaes

Subtenente Geziel Reis – Polícia Ambiental

Arlete Frank Dutra – Gerente do Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA) Prefeitura de Vitória

Cátia Cristina Vieira Lisboa – Secretária Municipal de Saúde de Vitória

Lígia Diniz – Protetora de Animais

Quer adotar um filhotinho?! Então… quero ver resistir a estas fofuras!

Quer adotar um filhotinho?! Então… quero ver resistir a estas fofuras! Na Vigilância Ambiental em Saúde da Serra, antigo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), vários filhotes de cachorro estão a procura de um lar. Os animais tem cerca de 40 dias  e estão prontinhos para levar alegria e amor para sua casa.

Agora se você prefere os adultos, o CCZ também tem diversas opções, inclusive animais já castrados e vacinados.

Para adotar animais nos CCZs é preciso ter muito Amor no coração pois esses cães e gatos já sofreram muito e precisam urgente de um lar. É necessário levar RG, ter mais de 18 anos e comprovante de residência. O VAS fica fica na Rodovia ES 010. km 2,5- Jardim Limoeiro. Serra. Ponto de referência: em frente ao Status motel. Telefone 3281-9288.

Confira:

Fiscalização apreende 25 pássaros silvestres em operação

A operação aconteceu nos bairros Novo Porto Canoa e Serra Dourada II. Foto: Divulgação

Vinte e cinco pássaros foram apreendidos na manhã da última sexta-feira (31), pela Fiscalização Ambiental da Serra. Um jabuti e um papagaio também foram encontrados. A operação aconteceu em conjunto com a Polícia Ambiental. A ação ocorreu em várias residências nos bairros Novo Porto Canoa e Serra Dourada II.

A multa para quem for pego com animais silvestres varia de R$ 50 a R$ 300, mais R$ 50 por espécie, e para animais que estão na lista de extinção é de R$ 100. Se tiver mais de três unidades, é caracterizado como comércio ilegal e a multa é aplicada em dobro. Com mais de 10 unidades, é considerado tráfico de animais e multa é multiplicada por cinco.

Os animais apreendidos são encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), do Ibama. Lá, eles são avaliados e posteriormente enviados para o Sereias, do Ibama. 

O telefone para acionar a Fiscalização para recolher animais silvestres é 99951-2321/ 0800 283 9780 e o e-mail é [email protected]

CPI dos Maus-tratos pede fechamento de canil clandestino

O problema aconteceu num canil em Vila Velha. Foto: Divulgação

Os integrantes da CPI dos Maus-tratos aos Animais, presidida pela deputada Janete de Sá (PMN), realizaram na noite da última terça-feira (28), uma reunião para interrogar as donas do canil Blue Point,  em Vila Velha, denunciadas por realizar cirurgias em animais sem serem veterinárias.

Em vídeos que foram postados em redes sociais, os animais se mexem durante o procedimento cirúrgico, indicando que eles sentem dor.

No depoimento, realizado na presença do delegado titular da Delegacia de Meio Ambiente e representante do Conselho Regional de Medicina Veterinária, a proprietária Nicoli Presotti admitiu que o canil, que funciona há 15 anos no bairro Retiro do Congo, em Vila Velha não possui licença para funcionar. Ela negou que as cirurgias, que tiveram os vídeos divulgados na internet, não foram feitas no canil, que segundo ela não possuí médico veterinário responsável pelos cães.

Em contradição ao depoimento de Nicoli Presotti, a  outra proprietária, Letícia Oliveira, admitiu que foram feitas cirurgias no canil e que ela participou de procedimentos cirúrgicos  em cães mesmo não sendo veterinária. Ela afirmou ainda, que nos vídeos divulgados na internet, ela realizou suturas nos animais com a supervisão de uma veterinária que ela não revelou o nome.

Diante dos relatos a presidente da CPI, deputada Janete de Sá, anunciou que vai pedir o fechamento do canil Villa Blue Point. “Nós constatamos nos depoimentos diversas irregularidades no canil e não podemos permitir que os animais sejam submetidos a Maus-tratos por isso estou propondo o fechamento do canil, que é clandestino,  e a tutela antecipada dos animais para que eles sejam colocados para adoção”, afirmou a parlamentar.

CPI dos Maus-tratos ouve donas de canis clandestinos de Vila Velha

O caso veio à tona após publicação de vídeos e fotos em redes sociais. Foto: Divulgação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Maus-Tratos a Animais se reúne nesta terça-feira (28), às 19 horas, no Plenário Rui Barbosa, para ouvir Nicoli Presotti e Letícia Oliveira Sotti, acusadas de realizar cirurgias em um canil clandestino em Vila Velha sem ter formação profissional para a função. Proprietárias do estabelecimento, as duas negam que maltratam cachorros. A reunião terá transmissão ao vivo pela TV Assembleia. Acompanhe pelo YouTube.

O caso veio à tona após publicação de vídeos e fotos em redes sociais. As imagens chamaram a atenção de internautas, pois o procedimento parece ser feito em local improvisado e com cachorros em movimento – o que pode ser interpretado como ausência de anestesia. Uma petição pública online pede a prisão das suspeitas, e mais de 22 mil assinaturas já foram coletadas.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-ES), conforme destaca em seu site, protocolou na última segunda-feira (20), junto ao Ministério Público do Estado (MPES) e Polícia Civil, denúncia contra o canil por charlatanismo e maus-tratos. O CRMV afirma que o estabelecimento é clandestino, pois não possui registro junto ao conselho e atesta o exercício ilegal da medicina veterinária.

Segundo a deputada Janete de Sá (PMN), que visitou o canil acompanhada da Polícia Militar Ambiental e do CRMV, além da Sociedade Protetora dos Animais, o estabelecimento não possui autorização municipal e nem licença ambiental. No entanto, abriga mais de 150 animais. “Também não encontramos nenhum documento que comprove a existência de médico veterinário responsável pelos animais”, diz.

A presidente da CPI continua: “Mesmo com as proprietárias afirmando que os vídeos que foram postados nas redes sociais foram feitos há mais de um ano e meio, elas não são capacitadas a realizar nenhum procedimento cirúrgico já que não são veterinárias. Nosso objetivo com os depoimentos é identificar outras possíveis práticas irregulares no canil e estabelecer prazo para que os problemas sejam definitivamente solucionados”, conclui.

A reunião vai contar ainda com a presença do presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária, Luiz Carlos Barboza Tavares, e dos médicos veterinários Marcelo Athadeu e Viviane Starling.

A CPI

A CPI dos Maus-Tratos a Animais apura denúncias de violência, abandono, desleixo nos Centros de Controle de Zoonoses, além de privação de água e comida. Há relatos recentes de envenenamento de cães, gatos, equinos e outras espécies que são agredidos, atropelados e mortos.

TV Assembleia

Na Grande Vitória a transmissão da TV Assembleia se dá nos seguintes canais: 19.2 aberto e digital, 12 da NET, 14 da RCA, 319.2 da GVT e 519.2 da Sky Digital. A TV Assembleia também pode ser acessada ao vivo pelo YouTube.

Feira de adoção reúne cerca de 100 animais no Shopping Vila Velha

A ação, em parceria com a ONG capixaba Amizade é um Luxo, tem como objetivo ajudar animais abandonados a acharem um lar

Bia, Bruno e Bob estarão na feira. Foto: Divulgação

Acontece no próximo sábado (25) a 1ª Feira de Adoção de Cães e Gatos do Shopping Vila Velha. O maior centro de compras do Espírito Santo já se orgulha em ser um estabelecimento Pet Friendly e permitir a circulação de animais de pequeno, médio e grande porte nas áreas comuns do centro de compras. E agora, em parceria com a ONG capixaba Amizade é um Luxo, vai possibilitar que animais resgatados encontrem um lar.

O evento será realizado no piso G2 do Shopping Vila Velha, no acesso ao estacionamento próximo ao Carrefour, a partir das 10h. Serão cerca de 100 animais disponíveis para adoção. Todos os filhotes estarão vacinados e terão garantia de castração a baixo custo junto aos consultórios veterinários parceiros da ONG. Os adultos disponíveis já estarão castrados e vacinados.

Além do espaço para adoção, haverá ainda a Loja Luxo da ONG, onde serão vendidas camisas, bandanas, chaveiros, acessórios e brinquedos pet, e a loja Pet Luxo, com a venda roupinhas para animais. Toda a renda obtida será revertida para o cuidado com os animais abandonados.

Como adotar?

Para adotar, é necessário ser maior de 18 anos e levar ao evento documentos de identificação e comprovante de residência.

Como contribuir?

A ONG Amizade é um Luxo precisa de apoio para continuar desenvolvendo os trabalhos de cuidado e resgate de animais abandonados. Por isso, durante o evento, haverá ainda espaço para arrecadação de doações. Para contribuir, basta levar para o evento ração, medicamentos ou jornal.

SVV Pet Friendly

O Shopping Vila Velha permite a circulação de animais de estimação de todos os portes na coleira e na guia, no interior e nas áreas comuns externas do centro de compras. Cães-guia são sempre bem-vindos ao shopping também. Para saber mais informações sobre o SVV Pet Friendly, é possível conferir o código de conduta afixado nos corredores do mall.

Amizade é um Luxo

A Amizade é um Luxo é uma ONG capixaba que tem como missão resgatar a dignidade e as chances de uma vida feliz para os animais vítimas do abandono e maus-tratos, promover uma mudança de paradigma no modo como esses animais são vistos pela sociedade, incentivar a adoção, castração e posse responsável.

O principal foco da ONG são os animais que vivem nos Centros de Controle de Zoonoses (CCZ), porém o trabalho abrange também os animais resgatados por abrigos e protetores independentes.

Em quase quatro anos de existência, a ONG contribuiu para a adoção de mais de 2.700 cães e gatos. Mais de 580 animais foram castrados e inúmeros animais foram vacinados e receberam atendimento veterinário por meio dos recursos obtidos pela organização.

Serviço:

1ª Feira de Adoção de Cães e Gatos do Shopping Vila Velha

Quando: 25 de março (sábado), a partir das 10h

Local: no piso G2 do Shopping Vila Velha, no acesso ao estacionamento próximo ao Carrefour

Dona de canil em Vila Velha é levada a delegacia após denúncias de maus-tratos

As imagens mostram animais sendo submetidos a cirurgias por uma das donas dos canil. Foto: Reprodução Facebook

Imagens de um canil em Vila Velha rodaram as redes sociais e causaram revolta dos amantes de animais no Espírito Santo.

Os vídeos mostravam cirurgias sendo feitas em cães da raça Spits Alemão onde os animais se mexiam e latiam durante o procedimento, o que caracteriza dor.

Diante das denúncias a dona foi denunciada por maus-tratos e prática ilegal da medicina veterinária. Na tarde da última terça-feira (21) a dona do canil recebeu voz de prisão e foi conduzida pela Polícia para prestar esclarecimentos na Delegacia.

Participaram da ação policiais da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, o Conselho Regional  de Medicina Veterinária, a presidente da CPI dos Maus Tratos aos Animais da Assembleia Legislativa,  deputada Janete de Sá e integrantes da Sociedade Protetora dos Animais. A diligência surpresa aconteceu no Canil Blue Point,  localizada no bairro Retiro do Congo,  na Zona Rural de Vila velha. 

As duas criadoras de cães da raça Spitz Alemão foram denunciadas depois que vídeos e fotos, que mostram uma delas fazendo cirurgias nos animais do canil, viralizaram nas redes sociais no último final de semana.

Durante a ação que aconteceu na tarde desta terça-feira (21) foi constado que o canil que fica em Vila Velha possui mais de 150 animais. Foto: Divulgação

Durante a diligência foi constatado que o canil não possui autorização municipal para funcionamento e não tem licença ambiental. No local também não foi encontrado documento que comprove a existência de médico veterinário responsável pelos animais. Foi apreendido vasta quantidade de medicação humana para dor e anestésica.

O canil possui mais de 150 animais de diversas raças a maioria da raça spitz. A proprietária Nicoli Pressotti disse a imprensa que o vídeo foi feito há mais de um ano e meio e que o canil não possui mais o centro cirúrgico mostrado nos vídeos.  

Depois de percorrer todas as instalações do canil e ver de perto a situação dos animais, a deputada estadual Janete de Sá (PMN) identificou que a proprietária e a jovem são as mesmas que aparecem no vídeo fazendo cirurgias nos cães e que serão convocadas a prestar depoimentos na CPI dos Maus Tratos contra os Animais na Sessão da próxima terça-feira,  dia 28 de março, às 19 horas no Plenário Rui Barbosa da Assembleia Legislativa.

Também foram identificados animais em jaulas e carentes do convívio humano. Há ainda informação que os bebês são castrados com dois meses para venda além de uma fossa esbarrando de fezes o que caracteriza crime ambiental.

As mulheres foram presas por policiais da Delegacia de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural, sob a responsabilidade do delegado Maurício Gonçalves. 

O delegado explicou que, em relação aos maus tratos com os animais, as suspeitas não foram pegas em situação flagrancial do crime, mas afirmou que o caso vai continuar a ser investigado. 

As suspeitas assinaram um Termo Circunstanciado pelo crime do Art. 60 da Lei de Crimes Ambientais: Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes. Elas foram liberadas e responderão o processo em liberdade.

 

Mãe e filha para adoção: porte pequeno

Que levar muito amor para sua casa? Estas duas belezuras são mãe e filha e estão disponíveis para adoção.

Todos os irmãozinhos já foram adotados e ela ficou só. Elas estão em Nova Almeida, na Serra.

É fêmea, sem raça definida, está com 3 meses, porte pequeno, vacinada e vermifugada. Quem quiser adotar pode entrar em contato com Fernanda Tinelli pelo Facebook clicando aqui.

Preguiça-de-coleira faz pose para foto no Mestre Álvaro

O click foi feito no último sábado (11). Foto: Junior Nass

A Área de Proteção Ambiental (APA) Mestre Álvaro é muito rica em fauna e flora e serve como refúgio para muitos animais. Um exemplo, é a preguiça-de-coleira fotografada pelo ambientalista Júnior Nass desfilando pelo verde do monte.

O click foi feito no último sábado (11). Para quem não sabe a preguiça está ameaçada de extinção.

Ela é encontrada principalmente nos estados da Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Medem cerca de 50 cm de comprimento e têm pelagem castanha e nuca com longos pelos negros, formando uma espécie de crina.

Júnior é membro da Associação Ambientalista Amigos do Mestre Álvaro, cujo objetivo é a preservação, defesa e conservação da Área de Proteção Ambiental (Apa), coibindo ações depredatórias.

“Queremos primeiro tornar esta Apa uma referência de práticas de conservação, proteção e sustentabilidade aplicável em outras reservas ambientais de nossa cidade e demais localidades. O maior desafio é estancar a degradação provocada pelo ser humano. Conseguindo isso, pretendemos promover por iniciativa própria e em parcerias, formas de conscientização, através de atividades de educação ambiental para a população”, detalha.

Belos, resgatados e sem lar! Vamos adotar?

Quer adotar um focinho? Neste sábado (18) e domingo (19) tem feira de adoção no Shopping Mestre Álvaro, em Eurico Salles, na Serra. O evento será das 14 às 21 horas no Pátio Verde.

Cães e gatos estarão disponíveis para adoção na feira que está sendo organizada pelo abrigo Ame um Pet, de Jacaraípe.

O abrigo cuida de 80 animais e o consumo de ração é muito alto. Quem não puder adotar, pode ajudar como voluntário na feira, doar ração, ou até mesmo patê e medicação veterinária.

Informações 9 9786-8463.

Família pede ajuda para encontrar cadela desaparecida na Serra

Fernando com a cadela Isis. Foto: Reprodução Facebook

Esta menina da foto é a Ísis e está desaparecida há cerca de 10 dias. Ela sumiu em Praia de Capuba, região de Jacaraípe.

Seus donos Thaíza Dias e Fernando Peterle estão desesperados a sua procura.

 “Ela é nossa filha caçula e até hoje não a encontramos. Pedimos ajuda se alguém a ver, por favor nos procure. Ouvimos falar que ela estava nas redondezas da mata, próximo ao Cerimonial Canto da Mata. Mas já rodamos algumas vezes por lá e não a vimos”, destaca Thaíza.

Isis é porte médio para grande e muito dócil e brincalhona. Foto: Reprodução Facebook

Ísis é porte médio para grande e apesar do tamanho é uma cadela muito dócil e brincalhona.

“O quintal, os irmãos (Maia, Theo e Linguiça), Fernando e eu, já não somos mais os mesmos. Falta a alegria que só ela consegue transmitir em nossa casa”.

Quem tiver alguma informação sobre o paradeiro da cachorra pode ligar para Thaíza no  9 8144-3222 ou Fernando no 9 9991-1195.

Esporotricose: saiba mais sobre esse fungo que ataca gatos e humanos

Muitos tutores estão preocupados sobre a epidemia de Esporotricose que está tendo no Rio de Janeiro e perguntam sobre a chance de seus gatinhos ficarem doentes. O intuito deste artigo é orientar e tranquilizar acerca desta doença.

A Esporotricose é uma doença causada por um fungo, o Sporotrix, que habita a natureza (solo, palha, vegetais e madeira) e em animais contaminados. A doença para ocorrer precisa de ferimentos com material contaminado, ou seja, o gatinho precisa se ferir com o material que esteja com o fungo. Exemplo: o gatinho se machuca com um espinho ou farpa que esta com o fungo, ou briga com outro gatinho que está doente de Esporotricose.

O ser humano pode pegar essa doença diretamente da natureza também sem ser através do contato com gatinhos doentes através de ferimentos com espinhos, farpas e materiais contaminados com o fungo. É um fungo que tem no mundo todo, porém, é mais comum em lugares com clima quente.

Após o fungo entrar dentro da pele do animal demora entre dias podendo chegar a 3 meses até aparecer as lesões na pele. Se manifesta com feridas nodulares (elevadas) avermelhadas principalmente em focinho, cabeça e pontas de orelhas, pode também ter lesões em olhos e boca e rabo.

Caso observe feridas em seu animal leve-o imediatamente ao médico veterinário, lave com cloro e agua fervente panos e utensílios usados por seu gatinho e use luvas para manusear seu mascote, principalmente se você tiver lesões nas mãos, dedos e unhas. Não aproxime o gatinho no seu rosto.

O tratamento dos animais doentes são com antifúngicos e outros medicamentos prescritos pelo médico veterinário, apesar de ser longo é extremamente eficaz e não é tão caro.

Caso perceba lesões no seu corpo ou de algum familiar procure um médico imediatamente e lembre-se de avisar ao médico que teve contato com objetos que podem transmitir a doença. Vale lembrar que em seres humanos é raro a doença, acontece mais em pessoas imunosuprimidas (com a imunidade baixa). No Espírito Santo a doença é rara.

Prevenir a doença no seu gatinho é sempre melhor. Evite que ele tenha acesso a rua, mantendo o sempre dentro de casa (ambientes limpos constantemente não tem o fungo), evite que ele tenha contato com outros gatinhos desconhecidos mesmo que não aparentem ter a doença (lembrem se o animal pode estar com o fungo incubado e não ter aparecido os sinais da doença ainda). Mantenha o animal em ambientes limpos sem contato com madeiras, terras e vegetais.

São simples ações que vão prevenir que seu gato fique doente de Esporotricose e várias outras doenças, e na dúvida leve seu bichano ao médico veterinário de sua confiança para uma consulta.

Cães podem pegar o fungo, apesar de ser mais raro.

Por Dra Patrícia Ribeiro de Oliveira – Médica Veterinária das clínicas Mvet Popular (27) 3011-1437 e Climev Laranjeiras (27) 3338-7266.

Cegonha é flagrada passeando nos Alagados do Mestre Álvaro

O clique foi feito no último domingo (12). Foto: Hilton Monteiro Cristovão

Uma cegonha foi flagrada passeando pela região alagada do Mestre Álvaro no último domingo (12). O lance foi clicado pelo fotógrafo Hilton Monteiro Cristovão.

Segundo o engenheiro elétrico a cegonha da espécie Maguari (Ciconia Maguari) possui no Espírito Santo registro em apenas seis municípios. “A maior frequência ocorre na Serra, na região alagada da Àrea de Proteção Ambiental do Mestre Álvaro, ou seja, o Mestre Álvaro já virou uma casa para elas. É importante que a população se envolva na preservação e para isso existem pessoas que fazem esse trabalho de conscientização, como a Associação Ambientalista Amigos do Mestre Álvaro”, destaca Hilton.

O fotógrafo também já flagrou lontras na lagoa Jacuném e nos Alagados, além de uma águia-pescadora voando no entorno da Jacuném.

 

Vereador quer cemitério público para animais na Serra

Nesta terça-feira (14) é comemorado o Dia dos Animais e nada melhor que lembrar a data com boas notícias para os donos dos bichinhos. Um vereador da Serra propôs projeto de Lei que prevê a criação de um cemitério público para animais na Serra. O texto será lido e encaminhado para aprovação nesta segunda-feira (13), na Câmara de Vereadores do município.

De acordo com o projeto, criado pelo vereador Roberto Catirica (PHS), o Cemitério Público de Animais fará o sepultamento de animais de pequeno porte, como cães e gatos. As regras para o serviço serão regulamentadas pelo Serviço Funerário do Município.

A Lei pretende ajudar os donos, já que a Prefeitura não dispõe de recolhimento de cadáveres de animais domésticos e enterrá-los no quintal ou áreas abertas não é recomendado. Fora isso, as taxas de funeral e anuidade de um cemitério particular passam de R$ 500. “Os poucos cemitérios e crematórios particulares destinados a animais domésticos cobram altíssimas taxas, praticamente inviabilizando a utilização pela maioria dos proprietários de animais”, explica Catirica.

Com valores altos e poucas opções, aumenta a quantidade de carcaça de bichinhos que é enterrada em terrenos baldios ou jogada em lixo comum. “ A carcaça desses animais pode atrair roedores e insetos, contaminar o solo e o lençol freático, além de provocar doenças. Nossa ideia também é colaborar para amenizar esta situação”, destacou o vereador.

CPI dos Maus-tratos enquadra Ufes e Prefeitura de Vitória

Na reunião de ontem (7) da CPI ficou acordado que a captura dos animais confinados em um porão próximo ao restaurante universitário será executada pela Polícia Militar Ambiental e o tratamento e castração caberá à Prefeitura de Vitória. Foto: Divulgação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga maus-tratos a animais no Espírito Santo anunciou um acordo para solucionar o problema de cães abandonados no campus da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Goiabeiras, Vitória.

Conforme o acordo firmado, a captura dos animais confinados em um porão próximo ao restaurante universitário será executada pela Polícia Militar Ambiental e o tratamento e castração caberá à Prefeitura de Vitória, por meio do Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA).

O assunto foi discutido em reunião da CPI, realizada na noite de segunda-feira (6), no Plenário Rui Barbosa. O destino dos cães após a captura e castração ainda não foi definido, mas a presidente da CPI, deputada Janete de Sá (PMN), busca entendimento com a Ufes para que eles retornem para o ambiente do campus por meio de parceria com alguma entidade protetora de animais que possa se responsabilizar pela curadoria dos animais.

“Retornar esses animais para o campus é uma forma de proteger a própria Ufes da entrada de novas matilhas, pois os cães que já estão lá resistem contra a entrada de concorrentes na área”, explicou a parlamentar.

A gerente do CVSA, Arlete Frank Dutra, que representou a Secretaria de Meio Ambiente de Vitória na reunião da CPI, sugeriu também que a Ufes estude formas de controlar a entrada e saída de animais no campus de Goiabeiras. “A área do campus é muito extensa. Muita gente entra com bichos lá dentro, e é preciso instituir formar de monitorar se as pessoas que entram com esses animais saem com eles ou os deixam abandonados lá”.

A chefe de gabinete da Reitoria da Ufes, Maria Auxiliadora Carvalho Coraça, que representou o reitor Reinaldo Centoducatte, prometeu estudar a proposta, mas ponderou que, por ser a área do campus muito extensa, a questão é complexa.

Segundo a ativista da causa animal Lígia Diniz, oito cães adultos se encontram confinados no porão da Ufes, além de duas crias. Uma cadela está prenha. Ligia contou que já resgatou por conta própria 59 animais abandonados no campus de Goiabeiras.  

Captura difícil

A captura dos cães que se encontram no porão perto do restaurante da universidade é tida como impossível sem os métodos apropriados, pois os animais são agressivos e vivem acuados dentro do espaço. “Essa captura não é uma tarefa simples, pois esses animais estão isolados dentro desse buraco, que pelo que disseram é de difícil acesso. Vamos estudar os métodos adequados para realizar a operação”, afirmou o subtenente Jeziel Reis, da Polícia Militar Ambiental.

Foi marcada nova reunião para o dia 4 de abril para que sejam avaliados os avanços no acordo firmado para a captura, tratamento e castração dos animais. “Espero que tudo o que foi acertado aqui seja resolvido até a próxima reunião”, disse Janete de Sá. O vice-presidente da CPI, deputado Doutor Hércules (PMDB), e o relator, Gildevan Fernandes (PMDB), também participaram das discussões.

Próximos passos

Janete de Sá adiantou as novas atividades da CPI: no dia 24 de março (sexta-feira), às 14 horas, será realizada nova audiência pública em Cachoeiro de Itapemirim, para a investigação de denúncias de mais maus-tratos a animais no município. O encontro deve ser na Câmara Municipal. Uma das pessoas a serem convocadas é Márcia Liverani, protetora de animais.

Em 19 de agosto passado, os deputados estiveram em Cachoeiro para ouvir o depoimento de Cremilda da Silva Conceição Caetano, de 72 anos, que espancou violentamente um cachorro com pedaço de pau que tinha pregos incrustados. O caso repercutiu nas redes sociais.

A presidente da CPI informou ainda que o colegiado realizará, nos próximos dias, diligência em uma clínica de saúde animal em Vila Velha para apurar denúncias de maus-tratos e abandono de animais no estabelecimento.

Além de Janete de Sá, Doutor Hércules e Gildevan Fernandes, a CPI conta ainda com integrantes titulares os deputados Amaro Neto (SD) e Marcos Bruno (Rede). Os suplentes são Raquel Lessa (SD), Erick Musso (PMDB) e Luzia Toledo (PMDB).

As investigações foram instauradas para apurar denúncias de maus-tratos a animais, abandono, desleixo nos centros de controles de zoonoses, privação de água e comida. Também são alvo de apuração relatos de envenenamento, agressões e atropelamentos de cães, gatos, equinos e outras espécies.

Maus-tratos no Campus da Ufes será discutido pela CPI na Assembleia

Protetores denunciam maus-tratos e abandono de animais no campus da universidade. Foto: Reprodução Facebook

A CPI que investiga casos de maus-tratos aos animais, presidida pela deputada Janete de Sá (PMN), se reúne nesta terça-feira, 7, para voltar a discutir a questão dos cães abandonados no Campus da Ufes, em Goiabeiras.

“Na última reunião da CPI, realizada no ano passado, a Ufes apresentou um termo de cooperação técnica, elaborado pela Prefeitura de Vitória e a Sociedade Protetora dos Animais, para resolver o problema dos cachorros abandonados no Campus de Goiabeiras. De acordo com o documento,  a Universidade se compromete a dar assistência médica e hospitalar aos animais e o município  seria responsável pela logística de fazer o transporte dos mesmos para o campus em Alegre, onde funciona o curso de veterinária da instituição. Só que esse documento até hoje não foi assinado. Nós queremos informações sobre os impedimentos que inviabilizaram a assinatura desse convênio que pode resolver definitivamente a questão”, declarou a deputada Janete de Sá, presidente da CPI.

A reunião da CPI acontece a partir das 19hs, no plenário Rui Barbosa, localizado no  Pilotis da Assembleia Legislativa e é aberta ao público.

Foram convocados para prestarem esclarecimentos as seguintes autoridades:

Luiz Emanuel Zouain da Rocha – Secretário Municipal de Meio Ambiente de Vitória

Ademir Barbosa Filho – Subsecretário de Qualidade Ambiental e Bem-estar Animal de Vitória

Cátia Cristina Vieira Lisboa – Secretária Municipal de Saúde de Vitória (interina)

Reinaldo Centoducate – Reitor da Universidade Federal do Espírito Santo

Douglas Severo – Médico Veterinário da UFES

Arlete Frank Dutra – Gerente do Centro de Vigilância em Saúde Ambiental (CVSA) de Vitória

Virginia de Souza Soares Lemos Brandão Pres. SOPAES (Soc. Protetora dos Animais do ES

Ligia Diniz – Protetora de Animais

Quer ganhar um brinde surpresa? Saiba como

Quer ganhar um brinde surpresa e super estilo da Matilha Estilo Vira Lata? Se sua resposta for sim, é simples. Basta tirar uma foto com uma caixinha ou bandana da Bravecto e curtir a página do Facebook Fredy  e Janaina Vitória são  Estilo Vira Lata e compartilhar sua fotografia na linha do tempo da fanpage usando #bravecto.

A Matilha Estilo Vira Lata tem camisas super estilosas e toda a renda arrecada é revertida para cuidar de animais carentes. Á frente da iniciativa está Bianca Newlands que cuida de 36 cães no total, sendo 26 resgatados em situação de maus-tratos das ruas da Grande Vitória e dez que vivem nas ruas ainda. Ela também alimenta outros 16 cães de famílias que vivem em uma comunidade.

Gato some e dona oferece recompensa de R$ 200

Você viu este gato por aí? Ele pertence a fotógrafa Renata Vallandro que é moradora de Bairro de Fátima e está desesperada a sua procura. Para quem achar e devolver o bichano a dona oferece uma recompensa de R$ 200.

O animal sumiu de sábado para domingo, nas imediações de Hélio Ferraz e Bairro de Fátima. É macho, tem três anos e seu rabo possui uma característica própria: é curto e torto na ponta, além disso, seu miado é choroso e ele é vesgo.

O contato pode ser feito via Facebook clicando aqui ou pelo telefone 27 992569181 (Vivo) ou 27999636743 (Claro).

Filhotes de cães para adoção em Carapebus

Quer levar muito amor para casa? Estes filhotinhos estão disponíveis para adoção.

Foram abandonados na Serra, em Balneário de Carapebus, e agora estão em lar temporário.

Quem quiser adotar pode entrar em contato com Dora Lopes pelo telefone 98837-2125.

Quer levar uma fofura dessa para casa?

Amigos, estes bebês estão disponíveis para adoção. O dono mora em uma kitnet e o espaço não comporta a quantidade de gatos.

“Eles estão confinados, pois a rua é muito perigosa e tenho medo de acontecer algum atropelamento com os filhotes. Além disso, os gatos da rua que alimento em minha porta já entraram para criar em meu guarda-roupa, por se sentirem seguros, e já colocaram mais dois filhotes em minha casa pela janela”, destaca Clayton Coelho.

São cinco filhotes e três adultos, no total de oito gatos em uma kitnet. “Dois adultos são meus e estou doando os filhotes e uma fêmea adulta castrada. Levo em qualquer lugar, desde que o adotante esteja disposto a amar e cuidar como eles estão acostumados.”

Contatos pelo 99868-2408 ou Facebook Clayton Coelho.

Deputado cria lei que permite visita de animais a pacientes nos hospitais do ES

A proposta busca levar mais alegria e bem-estar aos pacientes, ajudando na recuperação. Foto: Divulgação Agência Brasil

A exemplo do que já acontece no Hospital Albert Einstein e no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo, e na Apae de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, o deputado Hudson Leal (PTN) quer que hospitais do Espírito Santo possam permitir a entrada de animais dos pacientes. Segundo o parlamentar, que é médico, o objetivo é auxiliar na recuperação da saúde dos donos desses animais.

O deputado Hudson Leal (PTN) é autor do Projeto de Lei (PL 320/16), que permite a pacientes receberem a visita de seus animais domésticos e de estimação em hospitais privados, públicos, contratados, conveniados e cadastrados no Sistema Único de Saúde (SUS), no Espírito Santo.

Segundo o deputado, a proposta busca levar mais alegria e bem-estar aos pacientes, ajudando na recuperação. Na justificativa, ele lembra que hospitais dos Estados Unidos já têm essa prática. “No hospital da Universidade de Maryland (Baltimore), os animais têm a mesma liberdade como qualquer membro da família. Já no hospital da North Shore University, os animais de estimação dos pacientes terminais podem ficar o tempo todo ao lado de seus donos”.

De qualquer forma, registra o parlamentar, o ingresso dos animais deverá respeitar os critérios estabelecidos por cada instituição e a visita ser agendada junto à administração do hospital. O projeto também versa sobre o transporte dos animais e locais em que não seria permitida a visita, como os de quimioterapia, UTI, transplante e assistência a pacientes vítimas de queimaduras, entre outros.

O projeto também ressalva o cumprimento de regras estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como apresentar laudo veterinário atestando as boas condições de saúde do animal, acompanhado da carteira de vacinação atualizada, com a anotação da vacinação múltipla e antirrábica, assinada por médico veterinário com registro no órgão regulador da profissão. Além de cães e gatos, também são considerados animais domésticos e de estimação pássaros, coelhos, hamsters, chinchilas e tartarugas.

De acordo com a proposta, deverá ser determinado um local específico para o encontro entre o paciente internado e o animal de estimação, podendo ser no próprio quarto de internação, sala de estar específica ou, no caso de cães de grande porte, no jardim interno, se o estabelecimento dispuser desse espaço.

A justificativa do projeto traz estudos científicos que relacionam o animal de estimação com a melhora de crianças e adultos. “Segundo especialistas, durante a Terapia Assistida por Animais (TAA) há produção e liberação do hormônio endorfina no corpo do paciente, o que resulta na sensação de bem-estar e relaxamento, assim como diminuição na pressão arterial e no nível do hormônio cortisol. Os benefícios nos pacientes podem ser físicos e mentais, pela inibição da dor e estímulo à memória, assim como sociais, pela oportunidade de comunicação, sensação de segurança, socialização, motivação, aprendizagem e confiança”.

Os estudos apontam ainda que o contato contribui para “diminuir a solidão e a ansiedade; recuperar a autoestima, desenvolver sentimentos de compaixão e estimular a prática de exercícios”.

O PL 302/2016 está na Comissão de Justiça, que analisa recurso apresentado pelo autor após a Mesa Diretora ter emitido parecer denegatório, recusando a matéria. O parecer da Comissão de Justiça será levado à apreciação do Plenário, que é soberano para decidir se a proposta será arquivada ou continuará tramitando.

Serra tem empresa com produtos para cabelos 100% veganos

A Apse entra no mercado com shampoo, condicionador, máscara de hidratação e gelatina para cachos. Foto: Divulgação

O veganismo é uma derivação do vegetarianismo que elimina o consumo de qualquer subproduto animal da alimentação e está se expandindo para outros setores. A busca por produtos veganos de beleza e vestuários registra crescimento de mais de 150% ao ano. Voltada para este nicho de mercado, a Apse Cosmetics é a primeira empresa capixaba a oferecer produtos 100% veganos para cabelo. Com sua indústria localizada na Serra e quatro pontos de vendas em Vitória, Vila Velha e Cariacica, a empresa inicia a comercialização dos produtos neste mês de fevereiro.

A Apse entra no mercado com quatro linhas – Blond Treaty, Bio Complex, Vegan Protein e SOS Cachos, com 16 itens entre shampoo, condicionador, máscara de hidratação, BB Cream Hair e gelatina para cachos, todos testados dermatologicamente. Os produtos são enriquecidos com ativos naturais como extrato de linhaça, chia, arroz, óleo de coco, manteiga de karitê e murumuru, oferecendo todos os nutrientes necessários para a limpeza suave e hidratação do cabelo.

A engenheira química especializada em engenharia cosmética, Ana Kelher, sócia da empresa e responsável pelo desenvolvimento de todas as fórmulas, ressalta que os produtos são totalmente livres de compostos de origem animal. “Além de não possuírem itens como queratina e tutano, optamos por uma composição com menos produtos químicos que não tem petrolato, óleo mineral, silicones, sal, corantes, parabeno e sulfato. Isso possibilita um cuidado mais naturais dos fios, que ficam mais leves, hidratados, sedosos e saudáveis. Outro ponto importante para que o produto possa ser consumido por veganos é que não teve nenhum de seus testes realizados em animais, o que é muito comum no mercado de produtos de cosméticos”, frisa Kelher.

Mercado

Com uma produção inicial de dez toneladas, a Apse iniciará suas atividades com ponto de venda próprio e de distribuidores. Segundo o sócio da empresa responsável pela área comercial, Celso Dias, eles estão fechando parcerias com diversas empresas de varejo para que o produto seja comercializado em farmácias, supermercados, lojas de produtos naturais e de cosméticos.

“O mercado ainda é carente de produtos veganos e temos grande potencial para expandir para todo o Brasil. Começamos a comercialização pelo Espírito Santo, mas nosso objetivo é fazer a empresa crescer e vender para empresas de atacado e varejo de todo país. A partir de março contaremos com loja on-line, com entrega em todos os estados, o que já possibilitará uma ampliação da nossa atuação”.

Recompensa de R$ 200 para quem achar gato desaparecido em Valparaíso

Uma família de Valparaíso está desesperada a procura de seu gato de estimação. O animal sumiu na segunda-feira – dia 30 de janeiro, tem pelos brancos e apenas três patas.

O gato da raça Ragdoll, ainda é filhote e tem 3 meses de idade. Para quem encontrar a família oferece recompensa de R$ 200. O dono Alberto Arcamini informou que o animal desapareceu na região que fica próxima ao Parque do Cidade.

O contato para quem tiver informações é o 27 98111-1314.

Águia-pescadora é fotografada na lagoa Jacuném

O registro foi feito na última sexta-feira (27). Foto: Hilton Monteiro Cristovão

Uma águia-pescadora chamou atenção do fotógrafo Hilton Monteiro Cristovão na última sexta-feira (27) na Área de Preservação Ambiental (Apa) da Lagoa Jacuném, em Barcelona.

Hilton conta que foi atrás de um registro de uma capivara, mas que ao chegar lá, se deparou com a beleza da ave sobrevoando o céu da lagoa.

“É uma ave muito grande, ela destoa no céu, eu consegui enxergá-la de longe, o urubu-de-cabeça-preta tem aproximadamente 1,4 metro de envergadura (medida entre as pontas das asas) e a águia-pescadora chega a 2 metros de envergadura. Ela foi à lagoa pescar, então isto é um forte indicativo da presença de muito peixe na lagoa”, destaca o fotógrafo.

Hilton também disse que chegou a ver  a capivara, mas que não conseguiu fazer nenhum registro.

Ele destaca a importância do trabalho de preservação realizado no local. “Eu tenho ido constantemente fotografar no local. A Polícia Ambiental realiza um excelente trabalho de preservação e conscientização da população, assim os bichos estão repovoando a lagoa”.

 

Livro conta memórias de uma cachorra durante seus 16 anos de vida

A história de O Diário de Bia, lançado pela editora Equador é narrada pela cachorrinha Bia, que conta todas as etapas de sua vida desde seu nascimento. Fala das amizades, de quando teve filhotes, das aventuras, dos momentos bons e ruins.

Bia existiu de verdade e foi a grande companheira por 16 anos de uma jornalista que transformou em um livro infantojuvenil todo o amor que recebeu.

A obra, de autoria da paulistana Patrícia Favalle, tem ilustrações do carioca Felipe Campos e direção de arte de Mariana Simonetti. Autora de quatro livros sobre o universo do futebol, Patrícia confessa que foi um desafio encontrar o tom certo para a história fluir. “Os meus sobrinhos fizeram o papel de avaliadores. A cada capítulo pronto, lia para eles e anotava as impressões.”

Ficha Técnica

Autora: Patrícia Favalle

Ilustrações: Felipe Campos

Design gráfico: Mariana Simonetti

32 páginas: 20 x 20 cm | brochura

ISBN: 978-85-68212-04-2

Preço de capa: R$ 25,00

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por