Serra, 16 de agosto de 2018

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Geral

Serra, 23 de Fevereiro de 2018 às 9:52

Febre amarela pode estar mais perto da cidade, aponta estudo


Na Serra cerca de 400 mil moradores já foram vacinados e há doses disponíveis nas 38 unidades de saúde do município. Foto: Arquivo TN / Fábio Barcelos

Bruno Lyra / Gabriel Almeida

Com a descoberta do Instituto Evandro Chagas de que outra espécie de mosquito pode transmitir a febre amarela, o Aedes Albopictus, aumenta o risco da contaminação da doença em cidades, incluindo aí a Serra. É que essa espécie de Aedes vive tanto em matas quanto em áreas urbanas próximas a elas. E pode servir de elo entre o atual ciclo rural da doença e um novo ciclo urbano, que não é registrado desde 1942 no Brasil.

O biólogo e diretor do Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA), Sérgio Lucena, é um dos que alerta para o risco de proliferação da doença na cidade. “O mosquito pode picar um animal infectado na floresta e trazer o vírus para a cidade. Por isto é preciso ampliar a vacinação e as ações de combate aos mosquitos em áreas urbanas”, explica.

Lucena lembra que o Albopictus, assim como outras espécies de Aedes, é comum na área da UFES, por exemplo. Área esta que é contígua ao manguezal que chega até o bairro Jardim Carapina, já na Serra.

Segundo a Agência Brasil ainda é preciso mais estudos para a Fundação Evandro Chagas comprovar a eficácia do albopictus como transmissor da febre.  Além dos mosquitos silvestres Haemagogus e Sabethes – responsáveis pelo surto atual -outro mosquito que também pode transmitir a febre amarela é o Aedes aegypti, vetor das também temidas dengue, zika e chikungunya.

Mas, como este mosquito é urbano, no atual surto não há registro da presença do vírus nem da transmissão para humanos. No entanto, o Aedes aegypti transmitiu febre amarela para moradores de cidades no Brasil até 1942 e faz isso atualmente na África.   

Serra tem caso confirmado e segue vacinando

A Serra já tem um caso confirmado de febre amarela e outros dois em investigação em 2018. A informação é da secretaria de Municipal de Saúde (Sesa). O paciente que cujo teste deu positivo para a doença, não mora na Serra. Segundo a assessoria da secretaria municipal de saúde ele estava de passagem no município, quando procurou atendimento e não há informação de onde possa ter sido contaminado. 

Cerca de 400 mil pessoas foram vacinadas contra a febre amarela na Serra e as doses estão disponíveis nas 38 unidades de saúde do município. O dia e horário da aplicação variam de acordo com cada unidade, o cidadão deve procurar a mais próxima de casa para saber a agenda de imunização.

A assessoria da Sesa frisou que não recebeu orientação do Ministério da Saúde a respeito da relação do mosquito Aedes albopictus com o vírus da febre amarela. Disse ainda que a presença desse mosquito no município é “ínfima, porém ele também é monitorado por meio das armadilhas e combatido com fumacê e UBV pesado, larvicidas, bombas costais e na eliminação de criadouros em visitas domiciliares e a pontos estratégicos (floriculturas, ferros velhos, borracharias)”. 

Tais ações já são dispensadas ao Aedes aegypti e por hora ele é o principal foco do combate, que em 2018 já teve dois mutirões de combate, inspeção a cemitérios e levantamento do índice de infestação.    

Quanto as doenças transmitidas pelo Aedes, já foram notificados 127 casos de dengue, 5 casos de zika e 6 casos de chikungunya.

 




O que você acha ?

Os novos investimentos ambientais anunciados por Vale e Arcelor vão reduzir o pó preto?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Veja também

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por