Vereador cobra secretário sobre contaminação da Vale em praias | Portal Tempo Novo

Serra, 18 de novembro de 2018

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Meio Ambiente

Serra, 12 de Janeiro de 2018 às 9:12

Vereador cobra secretário sobre contaminação da Vale em praias


 

A comissão presidida por Fábio Duarte quer que o Secretário Marcos Franco prove que os rejeitos da Vale não chegaram a Serra e não mataram peixes. Foto: Tonico / Divulgação // Jansen Lube

Bruno Lyra

Continua gerando polêmica o lançamento de resíduos com metais pesados que a Vale lançou em Praia Mole, perto do limite entre Vitória e Serra. Na última segunda-feira (08), a Comissão de Vereadores da Serra, criada para fiscalizar as licenças ambientais da Vale e ArcelorMittal, protocolou pedido de explicações ao secretário de Meio Ambiente da cidade, Marcos Franco.

Dias após o descarte da Vale, ocorrido entre 01 e 05 de dezembro do ano passado, Marcos Franco afirmou que os resíduos não tinham atingido a Praia de Carapebus, contrariando as denúncias de moradores e ativistas da região. Marcos também eximiu a mineradora da mortandade de peixes que ocorreu entre Manguinhos e Bicanga, justamente naqueles dias após o descarte.

O que a Comissão de Vereadores cobra são os dados da coleta de amostras, análises e resultados que fundamentam as afirmações do secretário. “Até porque o próprio Instituto Estadual de Meio Ambiente – Iema multou a Vale pelo descarte, informando que o material lançado tem metal pesado. Além disso,fotos feitas por drone mostraram a mancha amarelada no mar em Carapebus, vinda da direção da Praia Mole”, argumenta o presidente da Comissão, e autor do pedido de explicações, o vereador Fábio Duarte (PDT).

Já o secretário de Meio Ambiente da Serra, Marcos Franco, disse na última quinta-feira (11), que ainda não tinha recebido o ofício e por isto não se manifestaria sobre o assunto.

Mineradora não quer pagar multa

Na tarde da última quarta-feira (09) a Vale informou, através de sua assessoria, que entrou com recurso pedindo a anulação da multa de R$ 1,62 milhão aplicada pelo Iema. O órgão estadual disse que a assessoria jurídica do Iema vai analisar o recurso. Se após análise, a decisão for pela manutenção da multa, a empresa ainda pode recorrer do recurso junto ao Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema).

Nos últimos 15 anos a Vale recebeu pelo menos 25 multas aplicadas por Iema, Prefeituras da Serra e Vitória por danos ambientais provocados pelas operações em Tubarão, mas não pagou nenhuma. Mesmo assim a empresa segue sem dificuldade para renovar sua licença.

Inclusive o Iema está renovando a licença de operação da Vale. Para isto o órgão capixaba contratou a Sabesp, órgão ambiental paulista, ao custo de R$ 550 mil, para fazer um estudo sobre a poluição gerada pela Vale. Desse estudo sairá um acordo chamado Termo de Compromisso Ambiental (TCA), que deve ser assinado também pelos Ministérios Públicos Estaduais e Federal.  

 




O que você acha ?

Você acredita no sucesso do governo Bolsonaro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Veja também

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por